Feeds:
Posts
Comentários

Archive for maio \31\UTC 2011

 

Seita local orienta os fiéis a não irem aos hospitais porque Deus providenciará a cura, muitas crianças estão morrendo. Os parlamentares do estado americano de Oregon elaboraram uma lei que invalida como defesa jurídica a “cura pela fé” por parte de pessoas que deixam de levar seus filhos ao médico por acreditar no poder de recuperação da oração e dos ritos dos pastores.

A lei já foi aprovada por unanimidade pelo Senado de Oregon e agora se encontra na Câmara dos Deputados para que as pequenasmudanças em seu texto sejam votadas. A sua aprovação é praticamente certa.

Com cerca de 4 milhões de habitantes, Oregon é o 27º estado mais populoso dos Estados Unidos. Salem é a capital e a maior cidade, Portland.

Lá, tem havido casos de morte de crianças por motivo religioso porque fiéis da seita Seguidores da Igreja de Cristo são orientados por pastores a não levarem seus filhos a médicos e hospitais porque Deus providenciará a cura.

Com a nova lei, esses religiosos não mais poderão, na Justiça, alegar que recorreram à cura pela fé e, no caso de morte, serão acusados de assassinato.

A tramitação do projeto de lei ocorre no momento em que a Justiça julga o casal Timothy e Rebecca Wyland por maus-tratos porque se recusou a levar ao médico sua filha de 18 anos com problema nos olhos. A moça acabou recebendo tratamento em decorrência de uma decisão judicial e assim se livrou de ficar cega.

No cemitério mantido pela seita, chama a atenção o grande número de lápides de crianças.

Fonte: Paulopes.com.br –
Anúncios

Read Full Post »

Ministros falam sobre futuro da música gospel e a perda da qualidade. Na última terça-feira, dia 24, a Christian Copyright Licensing International (CCLI) reuniu grandes nomes da música cristã para discutir o futuro da mesma no Brasil. Asaph Borba, Massao Suguihara, Gerson Ortega, Adhemar de Campos e seus filhos acabaram chegando a uma triste conclusão: a música tem perdido sua verdadeira essência, a Palavra de Deus.

O evento começou com música, como não poderia deixar de ser. Um pequeno momento de louvor com todos os cantores e seus filhos lembrou canções antigas que, muitas vezes, são até esquecidas pelas igrejas.

E quem iniciou a discussão foi o filho de Asaph Borba, André, de apenas 14 anos. Orgulhoso, Asaph contou que o filho ficou um tempo refletindo e buscando a Deus para saber o que dizer. Lendo seu texto, André falou sobre a evolução tecnológica que a música tem sofrido e sobre as grandes inovações que a tem atingido, mas abriu a dura verdade: as pessoas não têm buscado a Bíblia na hora de fazer suas letras.

Depois, foi a vez do próprio Asaph tomar a palavra. “Nossos filhos vão continuar cantando, adorando, e talvez de uma forma diferente da nossa. Mas o que nós queremos é que eles tenham a mesma essência”, explicou. Ele tentou ilustrar comparando um disco de vinil a um iPod. “A forma muda, mas a essência é a mesma.”

Gerson Ortega se mostrou preocupado com o que os pais têm passado aos filhos. Ele comentou sobre a importância de uma família andar nos caminhos de Deus, porque isso vai ajudar as próximas gerações. “Nós cristãos temos que manter os princípios.” O pastor e cantor ainda falou sobre a relação com seus filhos – que formam a banda ‘Os Ortegas’. “Eu tenho três filhos e nós conseguimos tocar juntos, temos até gostos parecidos.”

Emendando a fala de Ortega, Adhemar de Campos destacou que a preocupação não é somente com a música cristã, mas com o cristianismo no geral. “As pessoas dizem que a Igreja está desviada. A igreja do mundo evangélico pode estar mal, mas a Igreja do Reino de Deus vai muito bem, obrigado”, ponderou. Ainda questionou: “qual é a sua identidade?” O pastor falou sobre a importância dos valores, essência e conteúdo, e criticou algumas pessoas que colocam uma posição e um nome acima do que realmente são. “Quem é não precisa dizer que é, demonstra. Nós cristãos precisamos ser mais vistos do que ouvidos.”

Para Massao Suguihara a música cristã deve girar em torno da Igreja e dos seus propósitos, e não ao redor do mundo. “Está havendo uma corrosão da identidade cristã.” Ele mostrou sua preocupação com o hábito que a Igreja tem absorvido de ‘barganhar’. “Acabamos criando um evangelho centralizado no homem, e eu pergunto: onde é que está Jesus?”

Fonte: Creio.com.br-

Read Full Post »

Um Pastor Saudável

Pastores que estão andando na sua autoridade dada por Deus, tem dons outorgados por Jesus para promover o desenvolvimento espiritual. Eles podem ser pais espirituais maravilhosos.

Mas como podemos determinar se eles estão saudáveis ​​antes de nos submeter a eles? Aqui estão sete características com base em 1 Pedro 5:1-4 :

1. – Um pastor saudável cumpre todas as responsabilidades de um bom pastor – alimentação, guiando, guardando e protegendo o rebanho.

2. – Um pastor saudável funciona como um supervisor, fornecendo supervisão espiritual madura dentro da igreja local. Ele ajuda a criar um clima espiritual que irá incentivar as pessoas em suas relações com Deus.

3. – Um pastor saudável pastores do povo de boa vontade, não por compulsão.

4. – Um pastor saudável não tem nenhum desejo de ganho desonesto. Ele não é movido pelo amor ao dinheiro e não ve as pessoas simplesmente como um recurso financeiro.

5. – Um pastor se abstém saudável de usar sua posição de autoridade espiritual para exercer domínio sobre o povo em sua congregação. Sua atitude para com eles é uma de servidão – não dominância.

6. – Um pastor saudável sabe que as pessoas pertencem a Deus e que ele é apenas um mordomo, escolhido por Deus para amar, conduzir e representá-Lo.

7. – Um pastor saudável é um exemplo de semelhança de Cristo para a congregação. Ele vive uma vida transparente e desprovido de segredos e agendas ocultas.

1ª Pedro 5 vs. 1 ao 4:

5.1 Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada:

5.2 pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade;

5.3 nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.

5.4 Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória.

Fonte: Charisma 

Read Full Post »

Texto alerta a Igreja sobre o perigo dessa ação que eles caracterizaram como “iniquidade institucionalizada”. A Convenção Batista Brasileira escreveu uma nota alertando seus fieis sobre a decisão do Supre Tribunal Federal que aprovou a união estável entre pessoas do mesmo sexo e o reconhecimento dessa união como família.

O documento assinado pelo presidente da CBB, pastor Paschoal Piragine Júnior, tem o objetivo de alertar a Igreja sobre o perigo dessa decisão. Um desses perigos, diz o texto, é destruir o conceito de família (que não é só cristão, mas universal e multicultural) para reconstruí-lo sob a égide somente da afetividade e não em toda a dimensão de suas funcionalidades como base da sociedade.

A nota da CBB caracteriza a atitude do STF como “a iniqüidade institucionalizada”.

“Assim, conclamamos a sociedade brasileira a continuar mostrando que existem opiniões divergentes. Sem discriminação e com respeito a cada indivíduo, tais manifestações visam a defesa de valores pessoais e sociais, com integridade,” diz um trecho da carta.

Leia na íntegra:

“Um dos papeis da Igreja na sociedade é ser uma consciência profética capaz de ajudar a cada ser humano (entendido como um indivíduo livre e competente diante de Deus e dos homens, vivendo em uma sociedade pluralista) a discernir valores essenciais que norteiam os relacionamentos em todas as suas dimensões.

É nesse contexto que os batistas – integrantes de uma denominação cristã que, ao longo de toda a sua história, defende a liberdade religiosa, de consciência e de expressão – se manifestam para alertar sobre os perigos que a sociedade brasileira corre diante das novas conjunturas sociais aprovadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e que estão sendo propaladas por leis que tramitam no Congresso Nacional e por ações promovidas pelo Executivo.

Assim, alertamos para o perigo:

• De construir uma sociedade em que a legalidade pode ser estabelecida pelos interesses políticos e inclinações pessoais, como ocorreu no caso da releitura contraditória feita pelo STF do artigo 226 da Constituição Federal. O artigo diz:

“Art 226 – A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
(…)
§3o – Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
§4o – Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes.
§5o – Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher.

Quando uma casa que tem como principal missão defender a Constituição a rasga, corremos o perigo de viver um Estado jurídico de exceção, ao qual a nação brasileira não deseja retroceder.

De destruir o conceito de família (que não é só cristão, mas universal e multicultural) para reconstruí-lo sob a égide somente da afetividade e não em toda a dimensão de suas funcionalidades como base da sociedade.
De criar uma sociedade em que os valores essenciais são relativizados, pois onde tudo é relativo nada sobra para apoiar os alicerces do nosso futuro.
De viver em uma sociedade que abandona os valores divinos revelados nas Escrituras Sagradas, pois a História, desde os tempos bíblicos, têm demonstrado que sociedades que abandonaram os valores mais elementares implodiram por perderem os seus pilares sustentadores – ainda que tenham sido, em algum momento, grandes potências no contexto universal.

Tais atitudes nada mais são do que a iniqüidade institucionalizada. Assim, conclamamos a sociedade brasileira a continuar mostrando que existem opiniões divergentes. Sem discriminação e com respeito a cada indivíduo, tais manifestações visam a defesa de valores pessoais e sociais, com integridade. Somente quando todos os segmentos da sociedade se expressam é que as forças políticas de nossa nação se sensibilizam para obviedade dos valores essenciais, como no caso recente da decisão de nossa presidente, Dilma Rousseff, ao impedir a distribuição do chamado “kit contra a homofobia ” nas escolas públicas.

Curitiba, 27 de maio de 2011

Pr. Paschoal Piragine Jr.
Presidente da Convenção Batista Brasileira.”

Fonte: Portal Batista

Read Full Post »

Apoio a casais homossexuais e divergências doutrinárias quanto a ressurreição e a volta de Cristo seriam os motivos. O pastor Edney Melo, da Igreja Betesda de Fortaleza (CE) comunicou seu desligamento com a igreja de Ricardo Gondim. Por diversas divergências de pensamento, acerca de temas como a volta de Jesus, a ressurreição e também sobre a posição da igreja sobre aceitar casais homossexuais e ainda pedir aos pastores que façam aconselhamento de casais como se fossem casais heterossexuais.

Melo estava a 24 anos no ministério, mas tomou a decisão de sair e escreveu em seu blog suas razões. Uma delas é que, segundo ele, as características da Betesda têm mudado, “tem adquirido características institucionais e de pensamento, que, a princípio, apenas demonstravam sua pluralidade”.

Outro motivo seria discordar da orientação de aconselhar casais homossexuais. “No entanto, ano passado, em conversa com um dos principais pastores da Betesda, eu o ouvi falar de uma reflexão que estava sendo feita sobre a questão homossexual, que, deveria ser considerada pela igreja, normal. Inclusive, disse ele estar disposto a aconselhar casais homossexuais em sua comunidade, como se foram héteros, com a restrição de não serem promíscuos.”

O pastor também escreveu em seu blog que outro motivo que o levou a se desligar do ministério de Gondim foi não aceitar o fato da liderança da Betesda ter questionado as doutrinas da ressurreição e da volta de cristo “A partir daí, passei a ter uma série de conversas com a liderança cearense da Betesda, com quem questionei esses e outros pressupostos, contidos no consciente coletivo da igreja, como a volta de Jesus, a ressurreição e outras questões que considero irrefutáveis.”

Confira o texto na íntegra:

Percebendo o tamanho da repercussão com relação ao meu desligamento da Betesda, decidi romper o silêncio. Não sou neófito ou irresponsável. Sou pastor de uma comunidade punjante, bonita, leve e com características únicas, como qualquer comunidade cristã nordestina, que luta pela própria sobrevivência e pretende levar a sério seu amor a Jesus, o Nazareno e à sua mensagem da Cruz.

Estive, há 24 anos na igreja Betesda. Fui, durante seus momentos mais difíceis, um de seus principais elaboradores, mantenedores emocionais, um ferrenho lutador. Em todos esses anos, sob a tutela de Allison Ambrósio, que me ensinou a ser líder. Amei, trabalhei, orei e me empenhei por essas comunidades com afinco por muitos anos. Formei líderes, cuidei de novos membros e tenho tido meus melhores amigos ligados à Betesda. Tenho autoridade para falar da Betesda em todos os seus segmentos. Conheço a fundo sua estrutura e seus bastidores mais discretos. Eu conheço essa igreja como a palma de minha mão. E, infelizmente, hoje, eu a percebo tão cruel quanto qualquer instituição religiosa. Pensamentos novos em práticas antigas.

Procurarei não ser ofensivo em minhas próximas palavras, diferentemente do que tem acontecido contra mim. Isso me admira muito, visto que a idéia da tolerância, da compreensão e da graça, sempre foram alardeadamente pregada nos ambientes da Betesda. Uma igreja não é constituída, ela é formada, estabelece-se, desenvolve-se e vai assumindo características que a identificam e a solidificam no decorrer dos anos. Assim, a Betesda, minha amada igreja, também tem mudado. Tem adquirido características institucionais e de pensamento, que, a princípio, apenas demonstravam sua pluralidade. Com o passar dos anos, não havia mais pensamentos plurais, mais opostos. Mas percebo, que, o que começou a se desenvolver, foi um grupo de pessoas confusas, teológica e institucionalmente. Agi como podia. Mas as questões levantadas, as palestras ministradas, sempre desconstruíam, mas tinham uma proposta construtiva incipiente.

Com a morte do Pastor Allison, mesmo sem perceber, comecei a perder o afinco e o amor que tinha pela instituição. Mesmo assim, tentei segurar os fios que ligavam sua frágil estrutura, inclusive, mentoreando novas lideranças. No entanto, ano passado, em conversa com um dos principais pastores da Betesda, eu o ouvi falar de uma reflexão que estava sendo feita sobre a questão homossexual, que, deveria ser considerada pela igreja, normal. Inclusive, disse ele estar disposto a aconselhar casais homossexuais em sua comunidade, como se foram héteros, com a restrição de não serem promíscuos. A partir daí, passei a ter uma série de conversas com a liderança cearense da Betesda, com quem questionei esses e outros pressupostos, contidos no consciente coletivo da igreja, como a volta de Jesus, a ressurreição e outras questões que considero irrefutáveis.

Quando essas questões, durante esse ano, começaram a ser expostas no youtube e em revista de circulação nacional, novamente me posicionei. Percebi, então, que estávamos completamente divididos dentro da própria instituição. Falávamos ser uma comunidade de pensamento polifônico, mas, na verdade, tornamo-nos um ajuntamento destoante de instrumentistas. Nossos púlpitos e nossas conversas nos encontros são incongruentes. Parece haver diálogo. Mas, na verdade, o que existe é um grupo que elabora questões elevadas, um outro que finge que concorda, outro que finge que entende e a igreja perdida, sem referenciais. Todos os limites entre estes grupos começaram a se confundir, mudando a imagem pública da Betesda, que não sabe se é ou não evangélica. Quem discorda dos pensamentos elaborados, ou não entendeu ou é fundamentalista. Rótulos e jargões,são detestados mas apenas criaram-se novos, de acordo com novos pressupostos.

Eu decidi sair em silêncio, não por ser dissimulado, maquiavélico, traidor. Eu conheço o meu significado para a Betesda e sabia que traria uma grande repercussão. Tentei preservar os que são ligados a mim do rótulo de conspiradores. Tentei preservar minha comunidade de reuniões intermináveis. Ela cobrava de mim uma posição a tempos. E, obviamente, precisei fazer isso com o mínimo de planejamento. Eu o faria com mais calma. Tive que acelerar o processo, por causa da notícia, que me chegara, de que oito pastores estavam querendo se organizar para algum tipo de decisão. Por isso, quase imediatamente, quis sair. Não queria ser envolvido em nenhum racha. Quanto à minha comunidade já ter um nome, isso não foi planejado exaustivamente. Não queríamos ser conhecidos como dissidentes. Queríamos ir em direção à nossa própria identidade. Em um dia, concordamos com o nome: Comunidade de Cristo Maranata. Peço perdão aos que me amam. Mas tomei essas decisões para sua preservação.

A minha saída é a minha última mensagem para a Betesda. Gostaria que ela tivesse re-avaliado suas posturas, sua repercussão pública com mais respeito a quem pensa diferente. O futuro da Betesda não será a polifonia, será a solidão. Se, não houver uma profunda reformulação de pensamento e jornada. Não gostaria de ser procurado. Minha maior atitude e sinal de coerência é minha partida, com os meus.

Em paz, mas em jornadas diferentes.

EDNEY MELO

Confira o texto no blog aqui.

Read Full Post »

 

FÉ COMPARTILHADA

Judeus e muçulmanos são convidados a pregar em igrejas americanas.
 Leia mais

DIA 1º DE JUNHO DEFENDA SUA FÉ

PLC 122/06 será votado em Brasília. Confirme seu nome na oração.
 Leia mais

:: RUDI ZIMMER
Diretor executivo é eleito presidente das Sociedades Bíblicas Unidas  >> Leia mais

ED RENÉ KIVITZ

Teólogo diz que sexo é tão santo quanto casamento >> Leia mais
:: A MÚSICA GOSPEL PERDEU A ESSÊNCIA
Ministros falam sobre futuro da música gospel e a perda da qualidade  >> Leia mais

OUTRAS NOTÍCIAS

BANCADA EVANGÉLICA  Nova empreitada pode visar anulação de união homoafetiva  >> Leia mais

MÍDIA  Pastor Samuel Ferreira é notícia nas páginas da IstoÉ >> Leia mais

VALDEMIRO SANTIAGO  Principal entrada da Igreja Mundial é lacrada após reabertura em SP  >> Leia mais

PITTY  Cantora secular condena veto a kit gay e critica Silas Malafaia  >> Leia mais

JUSTIN BIEBER  Cantor teen revela tatuagem com a palavra ‘Jesus’  >> Leia mais

CINEMA Igreja Batista produz curta metragem evangelístico  >> Leia mais

FIM DO MUNDO  Adolescente se mata com medo de previsão de Harold Camping  >> Leia mais

CENSURA  Governo da Argélia decreta fechamento de ao menos sete Igrejas  Leia mais

FUTEBOL  Em nova entrevista, Muller nega falência e venda de igreja  Leia mais

JUSTIÇA  Igreja é condenada a devolver recursos de projeto comunitário   Leia mais

ANIVERSÁRIO  Juventude Batista de São Paulo comemora 92 anos  Leia mais

BANCADA EVANGÉLICA  Nova empreitada pode visar anulação de união homoafetiva  Leia mais
Publicidade

VIDA EM FAMÍLIA

 FAMÍLIA: PRIMAZIA DE DEUS
Instrui a criança e não será preciso punir os homens  
>> Leia mais

MARIDO E ESPOSAS SOLITÁRIOS
O isolamento é uma ameaça séria mesmo para casais cristãos  >> Leia mais

*Publicidade

 

 

LIDERANÇA

  ONDE ESTÁ O MEU LÍDER?
O verdadeiro líder exerce sua liderança sem alardes >> Leia mais

CONCEITO DE LIDERANÇA
Libertar as pessoas para fazerem o que se exige delas de maneira mais eficiente
>> Leia mais

 

PASTORES OU MERCENÁRIOS?
O mercenário vê vir o lobo e abandona as ovelhas e foge
>> Leia mais

 *Publicidade
:: CONFERÊNCIA INSPIRE

 DE 22 a 25 de junho participe    
>> Leia mais

WWW.CREIO.COM.BR

Read Full Post »

Senado anuncia que 95% dos brasileiros atendidos na ouvidoria são contra a PLC 122

A central de Relacionamento do Senado relatou que na semana entre 16 e 20 de maio a ouvidoria recebeu diversas opiniões sobre a PLC 122, o projeto de lei anti-homofobia contestado pelos evangélicos brasileiros.

Segundo o Alô Senado 90% de todas as ligações de brasileiros foram sobre a PLC 122 e apenas 5% se mostrando a favor do projeto, sendo 95% rejeitando e pedindo a não aprovação da Lei Anti-homofobia.

Já o Twitter do Alô Senado, com cerca de 400 seguidores, registrou mais balanceamento entre os que aprovam e desaprovam a PLC 122, porém ainda assim o que rejeitam a proposta são maioria.

O Senado ainda informou que dentre os outros 10% das ligações, o segundo assunto mais falado foi sobre o kit gay. Outros tópicos também citados foram PLS 388/2007 sobre o aumento da carga horária das escolas e a PLS 480/2007 que obriga os agentes públicos, como políticos, a matricularem seus filhos em escolas públicas brasileiras.

Os dados foram coletados na semana que o Pastor Silas Malafaia fazia campanha para que fiéis ligassem para o Alô Senado e enviassem emails para os senadores pedindo a não aprovação da PLC 122.

Fonte: Gospel+

Read Full Post »

Older Posts »